APOSTILA DE BIOESTATISTICA PDF

Claudia Franchi Profa Claudia M. Franchi Sumrio 1. Captulo 1 Noes Bsicas Apurao de Dados Populao e Amostra

Author:JoJotaxe Femuro
Country:Uganda
Language:English (Spanish)
Genre:Relationship
Published (Last):28 July 2012
Pages:331
PDF File Size:4.1 Mb
ePub File Size:1.85 Mb
ISBN:257-1-30277-790-1
Downloads:51254
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Milmaran



Claudia Franchi Profa Claudia M. Franchi Sumrio 1. Captulo 1 Noes Bsicas Apurao de Dados Populao e Amostra Tcnicas de Amostragem Amostra Casual Simples Amostra Sistemtica Amostra Estratificada Amostra de Convenincia Exerccios Captulo Captulo 2 - Apresentao de Dados em Tabelas Componentes das Tabelas Tabelas de Contingncia Capitulo 3 - Tabelas de Distribuio de Frequncias Tabela primitiva ou dados brutos Distribuio de frequncia sem intervalos de classe Distribuio de frequncia com intervalos de classe Elementos de uma distribuio de frequncia com intervalos de classe Franchi 4.

Limite superior e limite inferior da classe Amplitude de classe Amplitude total da distribuio Amplitude total da amostra ROL Ponto Mdio de classe Grfico de Barras Grfico de Colunas Grfico de Setores Grfico de Linhas Polgono de Frequncias Mdia Aritmtica Dados no agrupados Desvio em relao mdia Propriedades da mdia aritmtica Dados agrupados sem intervalo de classe Franchi 7.

Dados agrupados com intervalo de classe MODA - Mo Dados agrupados Dados Agrupados sem intervalo de classe Dados Agrupados com intervalos de classe Medidas de Disperso ou de Variabilidade Disperso ou variabilidade Amplitude Total Franchi 8.

Dados Agrupados com intervalo de classe Coeficiente de Variao Franchi 1. Interessam aos pesquisadores dessas reas, dados sobre mortalidade infantil, eficincia de medicamentos, incidncia de doenas, causa de morte, etc.

Os dados referem-se a variveis que so classificadas em Estatstica, como qualitativas, ordinais e quantitativas. Variveis Em estatstica, uma varivel um atributo mensurvel que tipicamente varia entre indivduos. As variveis so divididas em qualitativas e quantitativas. Varivel Quantitativa - So aquelas que so numericamente mensurveis, por exemplo, a idade, a altura, o peso. Estas ainda se subdividem em: Varivel Quantitativa Contnua: So aquelas que assumem valores dentro de um conjunto contnuo, tipicamente os nmeros reais.

So exemplos, o peso ou a altura de uma pessoa. Varivel Quantitativa Discreta: So aquelas que assumem valores dentro de um tempo finito ou enumervel, tipicamente nmeros inteiros.

Um exemplo o nmero de filhos de uma pessoa. Varivel Qualitativa - So aquelas que se baseiam em qualidades e no podem ser mensurveis numericamente. Estas ainda se subdividem em: Varivel Qualitativa Ordinal: So aquelas que podem ser colocadas em ordem, por exemplo, a classe social A,B,C,D, ou E e a varivel "Peso" medida em 3 nveis pouco pesados, pesados, muito pesados.

So variveis qualitativas ordinais tambm, grau de instruo, status social, estgio da doena. Varivel Qualitativa Nominal: So aquelas que no podem ser hierarquizadas ou ordenadas, como a cor dos olhos, o local de nascimento, peso, altura. Apurao de Dados Os dados so registrados em fichas, com vrias outras informaes. Para obter apenas os dados preciso fazer uma apurao. Se a varivel qualitativa ou ordinal, a apurao resume-se a simples contagem. Por exemplo, para obter o nmero de nascidos vivos de cada sexo, preciso tomar os pronturios e escrever numa folha de papel: Feminino Masculino Depois, preciso examinar os pronturios e fazer um trao, na linha correspondente a um dos sexos, toda vez que o pronturio registrar que o nascido vivo desse sexo.

No exemplo, cada trao representa um nascido vivo e cada quadrado, cortado pela diagonal, representa cinco nascidos vivos. O total dado pelo nmero de traos de cada linha. Franchi Se a varivel quantitativa, a apurao consiste em anotar cada valor observado.

Por exemplo, para apurar dados de peso ao nascer, basta escrever os pesos, uma folha de papel. O nmero do pronturio, escrito ao lado do peso ao nascer, facilita a posterior verificao da apurao. Veja o exemplo: Nmero do Pronturio Populao e Amostra Entende-se por populao, o conjunto de elementos que tm em comum, determinada caracterstica. Todo subconjunto no vazio e com menor numero de elementos do que a populao constitui uma amostra dessa populao.

As populaes podem ser finitas, como o conjunto de alunos de uma escola em determinado ano ou, infinitas, como o nmero de vezes que se pode jogar um dado. Para certas finalidades, as populaes finitas muito grandes so consideradas infinitas.

Como exemplo, considere as pessoas do sexo masculino com mais de 35 anos de idade, residentes na cidade de So Paulo. O nmero dessas pessoas matematicamente finito, mas to grande que um registrador ao analisar uma amostra de pessoas, pode considerar a populao como infinita. Os pesquisadores trabalham com amostras, por vrios motivos.

Primeiro, fato que as populaes finitas s podem ser estudadas atravs de amostras. Por exemplo, por maior que seja o nmero de vezes que uma pessoa possa pesar um corpo slido, o resultado ser sempre uma amostra por que, teoricamente, todo corpo pode ser pesado um nmero infinito de vezes.

Depois, as populaes finitas muito grandes s podem ser estudadas atravs de amostras. Por exemplo, o nmero de cobaias existentes no mundo em determinado perodo , matematicamente, finito, mas as pesquisas que usam cobaias s podem ser feitas com amostras, por que nenhum pesquisador dispe de todas as cobaias do mundo para o seu trabalho. Finalmente, o estudo cuidadoso de uma amostra tem mais valor cientfico do que o estudo sumrio de toda a populao.

Por exemplo, para estudar o efeito do flor sobre a preveno de cries em crianas, melhor submeter uma amostra de crianas a exames peridicos minuciosos, do que examinar rapidamente todas as crianas antes, e determinado tempo aps o uso do flor.

Tcnicas de Amostragem Definida a populao, preciso estabelecer a tcnica de amostragem, isto , o procedimento que ser adotado para escolher os elementos que iro compor a amostra. Conforme a tcnica utilizada, tem-se um tipo de amostra. Amostra Casual Simples A amostra casual simples composta por elementos retirados ao acaso da populao. Ento todo elemento da populao tem igual probabilidade de ser escolhido para a mostra. Um exemplo ajuda a entender essa tcnica de amostragem.

Imagine que um professor quer obter uma mostra casual simples dos alunos de sua escola. Para isso, pode organizar um sorteio com fichas numeradas, de zero a nove. Para fazer o sorteio, o 7 Bioestatstica Profa Claudia M. Franchi professor retira uma ficha de uma urna e anota o nmero.

Esse nmero ser o primeiro dgito do nmero do aluno que ser sorteado para a amostra. Feito isso, o professor recoloca a ficha na urna, mistura, retira outra ficha e anota o nmero, que ser o segundo dgito do nmero do aluno que ser sorteado para a amostra. Esse procedimento deve ser repetido at que sejam retirados todos os dgitos do nmero do aluno sorteado. Se a escola tem, por exemplo, alunos, os nmeros dos alunos tm trs dgitos. Para sortear um aluno, preciso retirar trs fichas da urna, uma de cada vez, sempre lembrando que a ficha retirada deve ser recolocada na urna antes de nova retirada.

O nmero de um dos alunos sorteados poderia ser, por exemplo, assim obtido: Primeira ficha: 3 Segunda ficha: 7 Terceira ficha: 7 claro que devem ser desprezados nmeros maiores do que se a escola tem alunos, nenhum aluno recebeu nmero maior do que , nmeros que j foram sorteados e o nmero

ISIXSIGMA MAGAZINE PDF

apostila_de_bioestatistica

The re is N 1, not N, and this difference between the formula for the estimated variance of a population and the variance of a finite set, equation 2. Geostatistics for Environmental Scientists — Apostila complexa de Bioestatistica Unless we can measure every bioesratistica in a population, however, we cannot eliminate the error. Lark and Dr B. If the variable has a normal distribution and the sample is reasonably large then the confidence limits for the mean are readily obtained as follows. You can try fitting theoretical distributions from the estimated parameters of the distribution to the histogram.

ANAPANASATI SUTTA SINHALA PDF

Apostila Bioestatística

Nikomuro Geostatistics for Environmental Scientists — Apostila complexa de Bioestatistica These qualitative characters can be of two types: The s bring us back to mining, and to two men in particular. There are two aspects to consider: At the same time G. It also introduces the chi-square distribution for variances. Residual maximum likelihood REML is introduced to analyse the components of variance for unbalanced designs, and we compare the results with the usual least-squares approach. Plan Exp Apostila de Planejamento de Experimentos. We assume that our readers are numerate and familiar with mathematical notation, but not that they have studied mathematics to an advanced level or have more than a rudimentary understanding of statistics. The distances between sampling points are also important, and the chapter describes how to design nested surveys to discover economically the spatial scales of variation in the absence of any prior information.

KUROSE REDES DE COMPUTADORES PDF

APOSTILA DE BIOESTATISTICA PDF

.

1 LITRE NO NAMIDA PDF

Apostila Bioestatistica

.

Related Articles